Las Vegas

Las vegas sign

Desde que eu me lembro sempre odiei fazer aniversário. Então meu último aniversário resolvi fazer algo diferente, era meu primeiro ano nos EUA e como a adaptação tem me judiado um pouco, resolvi aproveitar que estou aqui e Las Vegas é logo ali, para passar o final de semana por lá e conhecer um pouco sobre a cidade.

Não sei porque eu imaginava Las Vegas diferente, acho que mais “estrelinha”, uma cidade mais “adulta”. Imaginava que nenhuma família levaria suas crianças para a cidade do “O que acontece em Vegas fica em Vegas”. Outra coisa que me deixava com um pé atrás era o fato de ser muita balada, festas e cassinos, que não fazem meu estilo. Eu não estava interessada em festas e tão pouco perder dinheiro. Eu queria um final de semana descontraído e foi exatamente o que eu encontrei.

Você tem uma infinidade de atrações em Vegas, a maioria delas acontece nos hotéis, eles são tão grandes que a área de cassino é apenas um plus, sua agenda ficará cheia com as demais opções.

No dia que chegamos fomos dar um passeio pelas ruas da cidade. A nossa intenção era conhecer a placa de Bem Vindos a Las Vegas – da primeira foto desse post – e conhecer o clima, naquele momento eu pensei que tinha feito a escolha mais errada de viagem, o calor era insuportável. Não andamos muito e já procuramos um taxi, fizemos o que queríamos e voltamos ao hotel planejar com mais eficácia nossos passeios, pois isso não seria impedimento algum para andarmos muito e conhecermos o máximo de lugares que o nosso final de semana nos permitia.

Então aqui vai a dica mais importante da viagem, compre o ticket para o monorail, Las Vegas não tem Uber, e pegar taxi toda hora seria puxado. O monorail é tipo um trem que faz o trajeto de um cassino para o outro, ele não para em todos e nem vai a todos, mas é essencial. Dependendo onde você quer ir é só você descer em um cassino próximo e ir cruzando por dentro deles até o seu destino, pois um minuto fora do ar condicionado é uma eternidade.

Resolvido o problema de transporte, agora era só passear. Fomos conhecer os principais hotéis/cassinos, cada um com sua temática. Os dois a seguir são inspirados em cidades: No The Venetian Resort que é inspirado na cidade de Venice/Itália, você pode fazer um passeio pelos canais artificiais pegando uma carona nas gôndolas e os condutores até cantam para você.

E que tal uma passadinha em Paris? No Paris Las Vegas Hotel você pode ter um Eiffel Tower Experience subindo até o topo da torre e apreciando uma vista de 360º da cidade. O hotel é todo temático com ruas e cafés de Paris, super legal.

A noite tem inúmeros shows para você assistir, fomos ao Vegas! the Show que é uma volta ao tempo nos shows de Las Vegas, performances como de Elvis Presley, Tina Turner, cenário e figurino no mínimo nostálgico. No dia do meu aniversário tinha uma apresentação do Cirque du Soleil chamada, nada mais nada menos, que KÀ. Eu sempre quis assistir um espetáculo deles e esse foi perfeito.

Fomos ao High Roller que é o mais alto observatório de roda gigante do mundo. É uma vista muito bonita, a noite a cidade fica linda com toda sua iluminação. Tenho que confessar, no entanto, que foi um pouco decepcionante. Eles colocam muitas pessoas dentro dos carrinhos e quando você sobe todo mundo quer ter a experiência de olhar a cidade lá do alto.

Mesmo que foi uma viagem rápida, deu pra relaxar e muito. Las Vegas te da a sensação de que tudo ficou para trás. É como se você colocasse seus problemas, suas preocupações no modo de espera, sem horários e sem compromissos. Você fica livre e acho que por isso muita gente perde a linha.

Foi uma das minhas top viagens. Foi tudo maravilhoso, passou num piscar de olhos, nem me dei conta de que era meu aniversário – a não ser pelo momento em que meu sobrinho lindo se vestiu de palhaço e me fez ama-lo ainda mais.

PS: Outra dica de sobrevivência, tenha sempre uma garrafa de água nas mãos.

Roteiro de coisas para se fazer em Las Vegas.

Quais foram suas aventuras em Las Vegas? Deixe nos comentários abaixo o que mais gostou da cidade.

Foto: Ozéias Sant’ana
Edição: Kátia Vilelva

Mais...