Joshua Tree National Park

Chollas Cactus Garden

Depois de algumas horas de aeroporto e mais algumas de trânsito, conseguimos chegar na nossa primeira parada em meio ao deserto, o parque nacional Joshua Tree. Chegamos já estava noite, mesmo eu estando curiosa para conhecer o deserto, precisei esperar até o amanhecer. Foi uma surpresa agradável acordar com o termômetro marcando quase 40 graus já pela manhã e me sentir confortável com está temperatura, mesmo depois de praticamente um ano sem saber o que é verão, não imaginei que ficaria feliz em sentir o sol aquecendo a pele e levando embora os resquícios de gelo sobreviventes de Montana.

Geology Tour Road

Joshua Tree é conhecido por sua paisagem desértica, árvores torcidas com folhas espinhosas, uma variedade de animais, cactus, rochas que parecem implodidas e empilhadas propositalmente e fortes ventos que ajudaram a esculpir toda essa paisagem única. A primeira impressão é que está tudo morto e não existe vida nas plantas e solo, mas com um olhar mais atento, você percebe como são espécies únicas e compreende o quanto são fortes para viverem num ambiente tão extremo. Tudo se hamoniza e se completa dando vida a uma linda paisagem que só a própria natureza sabe como conservar e sobreviver.

Chollas Cactus Garden

É uma terra com muita história de povos pioneiros que fizeram desse deserto uma morada, descobrindo como sobreviver neste ambiente tão adverso, longe do que consideramos ideal.

Chollas Cactus Garden
Chollas Cactus Garden
White Tank Campground

Chollas Cactus Garden
Indian Cove Nature Trail
White Tank Campground
Chollas Cactus Garden
Lost Palms Oasis Trail

Tudo muito selvagem e lindo, em umas das noites meu marido foi fotografar a milky way/via láctea que é uma faixa mais clara no céu formada por estrelas, quanto mais escuro mais fácil é para capturar essa parte de céu. Agora imagine estar no meio do deserto onde a única luz é da lanterna, e para tirar a foto você precisa desligar até mesmo essa luz, meu estado era de pavor, eu estava morrendo de medo de cobra e para ser bem sincera, a essas horas da noite, eu estava com medo até mesmo de uma formiga, mas é daqueles momentos que você se sente grata por terem acontecido. (Mas só depois que você está em casa com segurança).

Foto: Ozéias Sant’ana

Quando temos a chance de conhecer um lugar tão lindo quanto este, precisamos ter certeza que os caminhos que pegamos nos levem a desfrutar o melhor que o lugar tem a nos oferecer, apreciar tudo com intensidade. Parar, olhar, respirar profundamente e contemplar tudo o que a natureza nos presenteou, a única coisa que precisamos dar em troca é respeito, preservar aquilo que não fomos nós os autores mas somos nós os beneficiários.


Also published on Medium.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *